18/08/2014
Surforeggae entrevista a banda de reggae amazonense, Ayahuasca! Leia e sinta o som!
 


O trabalho da banda Ayahuasca vai muito além da sua veia musical e verbal, é pura dedicação e perseverança em defesa das florestas e do nosso verde, adicionado de um bom contexto social. Com 7 anos de carreira e dois discos de estúdio lançados - "Pés no Chão” e “Urucum” - a banda que teve iniciou em Manaus e atualmente vivem baseados na cidade do Rio de Janeiro.

Para mostrar um pouco mais desse trabalho para o Brasil, o Surforeggae fez uma entrevista exclusiva com o grupo. Confira!

A ENTREVISTA


Nos fale um pouco sobre como foi formada a banda e quem são seus integrantes.
A banda foi formada em Manaus (AM) em 2006. Em 2009 a banda veio pro Rio de Janeiro onde só o vocalista Yuri Reis e o antigo guitarrista permaneceram na cidade. Lá, conheceram o baterista Daniel Tot que já tocava com o baixista Pedro Sustagem. Um ano depois o guitarrista Rafael Casqueira entrou pra banda, que atualmente também conta com os teclados de Gunter Fetter. Há 4 anos estamos atuando na cena carioca.

Quais são os seus artistas nacionais e internacionais favoritos quem de certa forma influenciam no som?
Gostamos de Nação Zumbi, Steel Pulse, The Congos, enfim, música jamaicana e brasileira. Gostamos também de rock pesado como Black Sabbath e Led Zeppelin. O RAP também faz parte do nosso cotidiano - artistas como Black Alien, The Roots e Mos Def. Curtimos de tudo um pouco e termina virando influência.

Vocês utilizam elementos diferentes como por exemplo indígenas na música da banda?
Sampleamos alguns cânticos indígenas e apitos de pássaros. Temos algumas percussões trazidas da Amazônia que usamos também. A banda tem muita influência da música indígena.


(Performance energética do Ayahuasca)


Como surgiu a ideia do nome da banda?
O nome foi dado pelo vocalista Yuri Reis após uma sessão de Ayahuasca que se trata de uma bebida milenar cultivada por povos indígenas.

Como está a discografia da banda? O que está sendo preparado para o futuro próximo?
Temos dois discos ,"Pés no chão" gravado em Manaus e "Urucum", feito no Rio de Janeiro. Estamos preparando o nosso terceiro álbum que se chamará ’Tribos’.

A banda se mudou pro Rio de Janeiro há algum tempo. Por que tomaram essa decisão e como está sendo?
Queríamos expandir os horizontes. Já estávamos na cena amazonense e era preciso respirar outros ares e buscar uma inserção maior no mercado para alcançar um número maior de pessoas.


(Do álbum "Pés no Chão", ouça "Viagem")


Para vocês que viveram mais de perto, como é o movimento do Reggae no Amazonas?
Apesar de ter boas bandas na cena de lá, não tem muito mercado ainda,por isso sentimos a necessidade de vir pro Rio de Janeiro.

O que precisa melhorar para o Reggae nacional atingir mais público?
Acreditamos que tem muita banda boa por aqui, mas falta autenticidade. Já que fazemos música de protesto, deveríamos nos importar mais com assuntos do Brasil , as florestas, nossos índios por exemplo. Talvez tivéssemos mais credibilidade se fôssemos "menos jamaicanos" e mais brasileiros.

Deixem uma mensagem para quem já curte o som de vocês e para aqueles que acabaram de conhecer um pouco mais o trabalho da banda aqui pelo Surforeggae.
Para quem já conhece e sabe da nossa proposta, obrigado pelo respeito! Para quem não conhece, convidamos todos a entrar no nosso mundo. Viva a floresta e todos os seres que nela vivem ! Obrigado!


(Ouça o disco "Urucum")





MAIS INFORMAÇÕES


Facebook: facebook.com/ayahuascareggae
Soundcloud: soundcloud.com/ayahuascareggae


Fonte: Rafael Surforeggae








 
Check Your Words
Reemah
Rise Up Reggae Star

Vários Artistas
(Reggae)


O que você espera da cena reggae atual?
Que bandas clássicas ressurjam
Que bandas novas apareçam mais.
A cena reggae está legal para mim.


Resultado parcial
Historico de Enquetes


   Morgan Heritage
   Chronixx
   DUB INC
   Jah Defender
   Alborosie


   Mateus Rasta
   Igor Salify
   Vibração Sol
   Andread Jó
   Be Livin



APOIO DESENVOLVIMENTO