28/10/2002
Reggae e Política! Sim, somos filhos da militância!
 


Infelizmente, para grande parte dos jovens, falar sobre política é perda de tempo. Mas será que virar as costas à realidade que nosso país enfrenta é uma atitude digna de brasileiro? As desigualdades sociais, a fome, a mortalidade infantil, a falta de moradia, saneamento básico, saúde e educação de qualidade estão aí. Mais um presidente foi eleito. E, falando como jovem, o que nos deixa desanimado é questionar: Será que vai fazer diferença?

Em respeito ao meu país e pensando no meu futuro, ouso discutir e agir politicamente porque sei que as mudanças que o Brasil precisa também dependem de mim como cidadã, pois a forte alma de um militante não se faz presente nas mesas dos empresários engravatados ou nos jantares dos burgueses. A música carrega a militância e o sentido de denúncia mais do que qualquer outro tipo de expressão. Bob Marley foi o maior músico-militante da América.

Músicas como "War", "I Shot the Sheriff" e "Get up Stand Up", foram as denúncias de maior influência para que as eleições jamaicanas de 1976 promovessem as mudanças que o povo precisava. O ídolo máximo do reggae é o único artista da história da América que é respeitado e aclamado no mundo todo, desde quando estava vivo, até hoje, e, como não podia ser diferente, foi perseguido por manifestar seu pensamento libertário.

Chegou a sofrer um atentado a tiros em sua casa e por isso exilou-se em Londres onde apadrinhou o reggae pela Europa e o fez conquistar o mundo. Outro importante militante, também através do reggae, foi Hugh Mundell. Em 1978 gravou o disco "Africa Must Be Free By 1983" lutando pela emancipação da África. Mas, coincidentemente no mesmo ano da emancipação, no auge de seus 21 anos, foi baleado e morto após uma banal discussão sobre um refrigerador, nos deixando a idéia de que teria lutado e cantado mais se tivesse dado tempo.

Enxergar as inúmeras desigualdades e não se anular ou calar diante delas é a primeira atitude de quem não é conformista, está pronto pra lutar pelas mudanças e correr os riscos de ser perseguido por suas idéias. É por isso que quando começo a desanimar, questionando se o novo presidente vai ser melhor ou ao menos diferente, é que respeito os muitos que já lutaram através da música e das manifestações, e que me lembro que nós também fazemos a diferença.


Fonte: Amanda Lacerda








 
Quilombagem
Vibrações
Rockers

Filme clássico de 1978
(Reggae)


O que você espera da cena reggae atual?
Que bandas clássicas ressurjam
Que bandas novas apareçam mais.
A cena reggae está legal para mim.


Resultado parcial
Historico de Enquetes


   Morgan Heritage
   Chronixx
   DUB INC
   Jah Defender
   Alborosie


   Mateus Rasta
   Igor Salify
   Vibração Sol
   Andread Jó
   Be Livin



APOIO DESENVOLVIMENTO