28/05/2004
O cantor jamaicano Horace Andy, salva o desanimado show do Massive Attack em São Paulo!
 


Um dos criadores do trip hop e dono de discografia fundamental na música eletrônica dos últimos dez anos, o Massive Attack reforça, neste seu segundo show no Brasil, a impressão de que não é uma banda para ser assistida ao vivo. Por contar com muitos convidados importantes nas gravações, as substituições de vocalistas e músicos em shows ao vivo fazem com que a banda pareça estar fazendo covers de si mesma.

Além disso, na apresentação da estréia, na noite de segunda (24/09), no Via Funchal, em São Paulo, a banda subiu ao palco minutos antes da meia-noite, para tocar por cerca de 1h30 para um público que já enfrentara duas horas de apresentação dos DJs Nuts e Pedrinho Dubstrong. Com isso, a atração de abertura acabou fazendo um show mais longo do que o nome principal da noite.

A banda liderada por Robert Del Naja baseou seu repertório nos dois últimos discos do Massive Attack, "Mezzanine", de 98, e "100th Window", de 2003, ambos de sonoridade mais densa e sombria do que os dois primeiros CDs da banda, "Blue Lines", de 91, de "Protection", de 94. As versões ao vivo de canções mais recentes não conseguiam reproduzir os climas originais, e ficaram arrastadas e cansativas em alguns momentos. A cantora escocesa Dot Allison, convidada para substituir os vocais de Elizabeth Fraser e Sinead O’Connor, também decepcionou e não conseguiu empolgar com as suas interpretações inferiores às originais.

O tratamento meticuloso que a banda consegue dar a sua música com recursos de estúdio, ingrediente fundamental para o lirismo do Massive Attack, também faz falta no show. Nos momentos mais intensos, a música soa chapada e desequilibrada pela amplidão da sala de espetáculo.

 O cantor jamaicano Horace Andy, que trabalha com o Massive Attack desde o primeiro disco, foi o responsável pelos melhores momentos da noite, com "Angel", de "Mezzanine", canções registradas em disco por ele mesmo.

Também deram bom resultado a versão ao vivo do dub "Karmacoma", cantada por Del Naja e Grant "Daddy G" Marshall --que não participou das gravações do último disco--, e o hit "Unfinished Sympathy", do álbum de estréia do grupo.

Na primeira vez que tocou aqui, em 98, o grupo teve seu show ofuscado pela apresentação animada dos alemães do Kraftwerk, que tocaram antes do Massive Attack, na mesma sala, no extinto Free Jazz Festival. Com seu som mais introspectivo e soturno, a banda não conseguiu "convencer" a platéia --eufórica com a apresentação dos alemães-- a entrar no clima melancólico de suas canções. Desta vez, o grupo também não conseguiu fazer com que seu espetáculo decolasse, prejudicado pela demora em subir ao palco e por sua natureza de banda de estúdio.

MAIS INFORMAÇÕES


 Clique aqui e saiba mais sobre o artista.

MULTIMÍDIA



Clique aqui e veja Horace Andy ao vivo com "Skylarking".



Fonte: UOL Música





'Horace Andy'


Horace Andy no Brasil! A You and Me traz, diretamente da Jamaica, uma das maiores lendas do reggae mundial!


HORACE ANDY em São Paulo! Lenda do reggae mundial emociona público, apesar dos pesares!


Lenda viva do reggae music, Horace Andy fará apresentações no Brasil! Confira as datas e os locais!






 
Dub Wars
Groundation
Cidade Verde Sounds

Estúdio Showlivre
(Reggae)


O que você espera da cena reggae atual?
Que bandas clássicas ressurjam
Que bandas novas apareçam mais.
A cena reggae está legal para mim.


Resultado parcial
Historico de Enquetes


   Morgan Heritage
   Chronixx
   DUB INC
   Jah Defender
   Alborosie


   Igor Salify
   Vibração Sol
   Andread Jó
   Be Livin
   Angatu



APOIO DESENVOLVIMENTO