05/04/2005
Rocinha barranco abaixo!
 

Pág 1: Anterior |
20/11/2018 - Dia da Consciência Negra: O Herói Zumbi!
11/05/2018 - Os últimos dias de Bob Marley!
19/03/2018 - O dia em que Bob Marley bateu bola no campo de Chico Buarque!
08/03/2017 - Mulheres no Reggae!
22/11/2016 - Parte 1: Para afugentar o Diabo!
21/11/2016 - Parte 2: Para afugentar o Diabo!
11/10/2016 - O impacto da cultura SoundSystem!
21/04/2016 - Amor e devoção! A visita de Selassie à Jamaica!
05/12/2015 - Nelson Mandela: A convicta luta que contagiou o reggae mundial!
21/09/2015 - Haile Selassie no Brasil!
19/01/2015 - A vida de Bob Marley - Os filhos do Rei!
15/11/2014 - A República mudou DE FATO nossas vidas?
27/08/2014 - O Tempo é o Mestre!
28/07/2014 - Chronixx, a nova locomotiva do reggae?
30/01/2014 - A Conexão Reggae / Punk!
17/10/2013 - Quem é Jah?
01/02/2013 - Queremos novidade! Uma análise do mercado reggae no Brasil!
19/06/2012 - A moda passa mas a essência fica!
Pág 1: Anterior |


Comunidade negra remanescente do Pelourinho - Salvador, sofre com o abandono do público e do governo. Esconderijo do roots reggae em Salvador, a comunidade da Rocinha começou a ser freqüentada por alguns poucos que pagavam um quilo de alimento, ou nada, para escutar o reggae da banda Bem Aventurados e de seus convidados. Aos poucos, o público foi se expandindo e a popularidade do local aumentando bastante. Entre os anos de 2001 e 2004, a Rocinha esteve badalada. Pessoas diferentes, porém com os mesmos objetivos (ouvir o roots reggae e aproveitar a "liberdade" que o local oferecia), lotavam os bares e barrancos da comunidade.

As instalações precárias e o chão de barro, pareciam atrair ainda mais a curiosidade de nativos e turistas interessados em conhecer a comunidade escondida por trás de um beco no Centro Histórico de Salvador. Era comum ouvir o reggae enquanto as roupas balançavam num varal, e sentindo o cheiro do feijão do dia seguinte misturado aos outros aromas do local.

A transformação de uma simples comunidade em um “point”, trouxe benefícios para os moradores. A venda de alimentos e bebidas, dentre outros artigos, gerava renda e orgulho para a comunidade, porém o aumento da popularidade do gueto da Rocinha, acarretou no desgaste do lugar, que se tornou visado pela imprensa e conseqüentemente por autoridades. Batidas policiais passaram a ocorrer freqüentemente, e a apreensão de drogas tornou-se rotineira. As vibrações negativas e a presença da polícia afugentavam os regueiros cada vez mais.

A comunidade voltou a sofrer com a "fuga" dos freqüentadores além da possibilidade de despejo, para dar lugar a um estacionamento. Esta situação é citada em uma das músicas cantadas por Alumínio e sua banda "Carruagem de Fogo", cuja data do ocorrido se tornou título do último álbum da banda (22 de Setembro de 2003), que é uma das principais atrações das sextas e terças-feiras da Rocinha. A música narra a invasão da polícia na comunidade com o intuito de expulsar os moradores do local, sem nenhum mandato.

O fato gerou uma mobilização por parte de alguns políticos e representantes do movimento negro da cidade, o que fez a polícia recuar. Depois de toda essa turbulência, alguns acontecimentos bizarros ocorreram e a Rocinha encontra-se hoje vegetando por conta do abandono do seu antigo público. Durante uma conversa com Ras Ednaldo Sá, membro dos primórdios da Bem Aventurados, músico há vinte anos e morador da rocinha, o mesmo atribui a decadência do "point" à má administração dos próprios moradores. Ednaldo conta que por volta de 1995, quando o Cultura em Movimento (nome do evento semanal que acontece na Rocinha) teve início, havia uma preocupação social. Os alimentos arrecadados na portaria eram distribuídos para a comunidade e havia uma interação entre os moradores e o evento.

Com o tempo, os ingressos passaram a ser pagos em dinheiro e infelizmente o fator social foi deixado de lado. "Passou a ser cada um por si". Talvez a falta de censo de coletividade, tenha sido a causa do enfraquecimento da essência primária da Rocinha. Contam que o local recebeu este nome devido à variedade de frutas que brotavam no seu pomar, no início da sua formação, quando começou a ser habitada por negros que trabalhavam nas imediações do centro da cidade.

Atualmente a comunidade excluída do projeto de revitalização do Centro Histórico de Salvador sofre duras penas: sem acesso a nenhum tipo de estrutura e a falta de saneamento básico. É interessante a relação entre a Rocinha e o reggae, ambos simbolizam a resistência à exclusão sócio-econômica da população negra, e ao mesmo tempo são tratados como insignificantes por grande parte da sociedade.

Não há nenhuma expectativa com relação a iniciativas do governo para a melhoria da comunidade, estranhamente abandonada e camuflada em um dos pontos turísticos mais visitados da cidade.


Fonte: Maraise Massena / Colaboradora Surforeggae - BA








 
Vibrações 15 Anos!
Vibrações
Maneva

Estúdio Showlivre
(Reggae)


O que você espera da cena reggae atual?
Que bandas clássicas ressurjam
Que bandas novas apareçam mais.
A cena reggae está legal para mim.


Resultado parcial
Historico de Enquetes


   Morgan Heritage
   Chronixx
   DUB INC
   Jah Defender
   Alborosie


   Igor Salify
   Vibração Sol
   Andread Jó
   Be Livin
   Angatu



APOIO DESENVOLVIMENTO